Nelson Hubner | 2017 - Atual

“Quando a voz levanta, a razão se espanta!” - Ditado Popular - Vivemos um momento em que os ânimos estão exacerbados. A grande crise econômica, pela qual ainda estamos passando, aliada à grave crise política nos coloca numa posição muito desconfortável perante o resto do mundo. Internamente temos a classe política bastante fragilizada, como consequência de suas próprias elaborações e as inconsequências de ações nitidamente desvirtuadas. O governo federal – com muitas dificuldades de definir prioridades do ponto de vista fiscal, tributário e financeiro, toma medidas que podem garantir o cumprimento das metas e o respeito à Lei de Responsabilidade Fiscal. Para os desavisados de plantão isto pode ser, por outro lado, uma justificativa para não fazer algo que esteja contrário a algum propósito do governante de plantão. Enfim temos justificativas variadas para problemas diversos. Os governos estaduais e municipais, detentores da fatia menor dos valores arrecadados por impostos, estão sofrendo com necessidades presentes ao administrar déficits passados e perspectivas de baixo investimento em questões estruturantes. Também, bastante dependentes do governo federal, que no Brasil é o maior centralizador de recursos. Ao lado de todas estas questões estão os empresários e a população em geral, todos trabalhadores do chamado setor produtivo do qual se origina progresso, riqueza e desenvolvimento para o país. Em geral os menos ouvidos e, seguramente, os mais atingidos. No setor produtivo tempo tem muito valor. Se for bem aproveitado nos processos produtivos é perspectiva de resultado positivo. Se não for utilizado, há certeza de resultado negativo. Quando todo este momento passar teremos, com absoluta clareza, muitas perdas de maioria irreparável. Outra voz que começa a subir o tom é dos intervencionistas. Não acreditamos que esta seja a solução mais adequada ao país. Ainda continuamos defendendo o caminho da democracia e da liberdade de ações com a responsabilidade solidária. Quando levantamos o olhar alcançamos um horizonte que nos poderá ser favorável, se o país fizer a lição de casa no passo imediato que daremos: as eleições. Não somente a escolha dos executivos federal e estaduais como, principalmente, o grupo legislativo. Teremos a chance histórica de dar poder a pessoas com outros propósitos, diferentes da maioria dos atuais ocupantes destes espaços. Enfim temos soluções possíveis para retomada do desenvolvimento e da mudança de rumos do pais. Acreditamos e buscamos esta perspectiva. Por isso trabalhamos, incansavelmente, para a manutenção e crescimento dos empreendimentos, razão maior das nossas aspirações e realizações. Bom trabalho a todos. Nelson Roberto Hübner Presidente