Finanças e Previdência são assuntos tratados e publicados neste Boletim Informativo, com a finalidade de orientar e auxiliar sobre questões econômicas, de negócios e de investimentos. Acompanhe todas as 2ªs feiras, os informativos Financeiro e Previdenciário escritos pelo Consultor em Previdência Renato Follador.

 

 

 

Como a Reforma Atinge os Servidores  

29 de maio de 2017

  Muitos servidores desesperados entrando com pedido de aposentadoria com medo da reforma da previdência. Muita calma nessa hora. Vamos lá. Servidores que já cumpriram as carências para se aposentar nas regras atuais têm direito adquirido. Não serão atingidos pela reforma. É o que garante o artigo 6º. do substitutivo aprovado na Comissão da Câmara Federal. Aí, com relação à integralidade, à paridade e à isonomia, importa a data e...

Clique para ler mais >

O Pedágio É Um Engodo

22 de maio de 2017

Amigos leitores, eu já disse aqui que a reforma da previdência proposta pelo governo é pobre de técnica atuarial, de embasamento jurídico e de justiça social. Pois tudo que é ruim pode piorar. A Comissão da Câmara conseguiu criar um monstrengo. Tão rudimentar quanto à fama da maioria de seus autores: suas excelências os deputados federais. Implantaram um pedágio para quem está no meio do caminho, ou seja, para quem não cumpriu as carências...

Clique para ler mais >

PGBL X VGBL

15 de maio de 2017

Qualquer um pode adquirir num Banco ou Seguradora um plano de previdência privada para somar à aposentadoria do INSS lá na frente. Os mais populares são os PGBLs e os VGBLs e a diferença entre os dois reside na tributação, no imposto. Não se assustem com o monte de letras. Vou explicar: PGBL é melhor para quem tem carteira assinada, renda declarada, e usa o formulário completo, pois permite abater as contribuições até 12% da renda na Declaraç...

Clique para ler mais >

Precisamos de Mais Filhos

2 de maio de 2017

Temos 12 milhões de desempregados, mas poderia ser muito pior se o Brasil tivesse taxas de natalidade do século passado. Há 50 anos atrás, eram, em média, 6,4 filhos por brasileira e, hoje, só 1,7. Padrão europeu, pois lá nenhum país tem taxa de fertilidade acima de 2,0 filhos por mulher, que é o número necessário para que a população se mantenha estável. O desenvolvimento econômico, a migração do campo para a cidade, o avanço do feminismo,...

Clique para ler mais >