Princípios para Educação Executiva Responsável da ONU lançam pesquisa para mensurar a institucionalização do suborno na América Latina

14 de maio de 2018

Para os economistas institucionalistas, a corrupção não é apenas um problema de ordem jurídica, econômica, antropológica e psicológica, mas moral, intimamente relacionada ao tecido social e à cultura.

A fim de estabelecer a situação da institucionalização do suborno no setor empresarial, os Princípios para Educação Executiva Responsável da Organização das Nações Unidas (PRME), iniciou uma pesquisa sobre práticas corporativas relacionadas ao suborno na região da América Latina e do Caribe.

A partir desses dados, será gerado um índice, em três eixos fundamentais: cumprimento das regras, conhecimento sobre eles e hábitos percebidos. Ao fim será obtido um panorama da internalização do suborno em nível corporativo na região.

A AECIC, parceira da iniciativa, convida aos seus associados a participarem do estudo, de maneira anônima, que como benefícios irá proporcionar:

  • Informações sobre a situação da luta contra o suborno no Brasil;
  • Representatividade no Índice de Institucionalização do Suborno no Brasil, na

América Latina e Caribe;

  • Possibilidade de realizar estudos comparativos com instituições de outros países;
  • Possibilidade de produção editorial útil para atividades de pesquisa, extensão e

Ensinando;

  • Participação em uma publicação de nível internacional apoiada pelo PRME;
  • Conhecer os níveis de institucionalização do suborno corporativo nos países

Participantes;

  • Identificar os principais fatores que facilitam ou dificultam a prática de suborno;
  • Identificar os principais fatores que incentivam as empresas a estabelecer práticas anti- suborno.

 

Cabe salientar que a participação é anônima, não solicitando informações que permitam a identificação do respondente ou da empresa na qual ele trabalha.

A pesquisa pode ser respondida através do link a seguir até dia 31/05: https://pt.surveymonkey.com/r/pesquisaprme

 

Participe!

Clique e saiba mais sobre o PRME LAC

 

< Voltar