Na AECIC, prefeito confirma obras de R$ 3,5 milhões na Cidade Industrial

21 de fevereiro de 2018

Em visita à Associação das Empresas da Cidade Industrial de Curitiba (Aecic), o prefeito Rafael Greca destacou nesta terça-feira (20/2) o plano de recuperação asfáltica programado para este ano em Curitiba. “Viemos aqui para anunciar o asfalto novo nas ruas Senador Accioly Filho e João Rodrigues Pinheiro”, disse.

As obras para requalificar as duas vias contemplam um investimento de quase R$ 3,5 milhões. “Essas duas importantes vias de ir e vir da Cidade Industrial vão ser requalificadas entre as primeiras 61 ruas dos 240 km de asfalto que vamos fazer neste ano. Essas duas ruas já estão licitadas e as obras devem começar ainda no mês de fevereiro ou março”, adiantou Greca.

Troca de ideias

O prefeito falou ainda da importância da reunião para o intercâmbio de projetos entre o município e a Aecic. “Nós viemos aqui também para trocar ideias com esses empresários que representam a força produtiva na nossa cidade, nesse bairro, que tem por administrador regional, o Raphael Keiji”, disse.

Greca ressaltou no encontro o debate de ações socioambientais, como soluções para problemas sociais, regularização fundiária da CIC, questões ambientais. “O Nelson Hubner, presidente da Aecic, e os demais empresários que estão nessa mesa são participantes do grande pensamento que norteará o futuro de Curitiba daqui para frente”.

Na reunião, o presidente da Aecic, Nelson Hubner, destacou o apoio do prefeito Rafael Greca e a sinergia dos projetos entre o município e a instituição empresarial. “Caminhamos juntos para o desenvolvimento de Curitiba, o fortalecimento do setor produtivo e para melhorar a qualidade de vida dos moradores e trabalhadores da CIC”, disse.

O encontro na sede da Aecic teve ainda a presença do vice-prefeito e secretário de Obras Públicas, Eduardo Pimentel; Carlos Gusso, presidente da Risotolândia; João Casillo, presidente do Escritório de Advocacia Casillo Advogados; Alaides Francisco Oliveira, presidente da Itaite Logística; Celso Gusso, presidente da Araupack; João Barreto Lopes, Relações Corporativas do ISAE/FGV; Francesco Pallaro, presidente da Camara Italo-Brasileira de Comercio; José Ribamar Reis, diretor da CIEE; Duilo Damaso, diretor da Bosch; e Camilo Gonzaga, representante da Volvo.

Oficina Profissionalizante

Após a reunião, Greca, o vice-prefeito e secretário municipal de Obras, Eduardo Pimentel, e a comitiva de empresários, visitaram o projeto social Oficina Profissionalizante da Vila Verde, na CIC, desenvolvido pelo Instituto Roberto Bosch, Associação Primavera da Alemanha e Associação das Empresas da Cidade Industrial de Curitiba.

O projeto atende anualmente, de acordo com o gerente de recursos humanos da Bosch, Duilo Damaso, mais de 4 mil jovens em todo o Brasil. “Na Vila Verde, atualmente, 800 estudantes participam de cursos profissionalizantes em áreas técnicas. A maior parte dos alunos, após a conclusão dos cursos, é encaminhada para o mercado de trabalho e para atuar também nas fábricas da Bosch”, disse Damaso.

O prefeito Rafael Greca ressaltou a importância da intersecção entre poder público e iniciativa privada para o desenvolvimento social da cidade. “Essa empresa (Bosch) que há 40 anos é orgulho de Curitiba, com apoio da Administração Regional da CIC, e de outros órgãos, também forma as nossas moças e rapazes para o mercado de trabalho, pois toda essa turma aqui está na escola, mas está empregada. Esse instituto aqui tem esse condão de ser uma porta para a educação, para o conhecimento, mas uma porta para o primeiro emprego”, destacou Greca.

“Esse é o modelo para o Brasil que nós merecemos. Meu agradecimento à Bosch e à Aecic por esse modelo, que eu proponho para outros bairros de Curitiba”.

Nova geração

Aluna do projeto social, Stefhani Porto Junqueira, de 16 anos, considera a iniciativa da Bosch e das instituições parceiras uma verdadeira inovação na área do ensino profissional.

“Nós somos uma inovação porque somos uma turma piloto na área de técnica em Administração. Então, a Bosch e os institutos parceiros trazem inovação, pois somos os primeiros aprendizes em formação para o mercado de trabalho”, disse.

< Voltar